ACESSIBILIDADE
TAMANHO DA FONTE:
A+
A
A-
  • serviços Cidadão

  • serviços Empresa

  • serviços Servidor

  • consulta Processos

  • Acesso à
    Informação
+
postado em 14 jan 2008 em Notícias

Exportações do agronegócio

Estudos preliminares indicam que o setor de agronegócios alcançou, no ano passado, um saldo superior a US$ 50 bilhões em seu comércio exterior, sendo mais uma vez o grande responsável pelo bom desempenho da balança comercial do País. É muito provável que também em 2008 o agronegócio tenha papel decisivo no desempenho da balança comercial brasileira, embora as empresas de consultoria já identifiquem alguns fatores que podem afetar o crescimento de suas exportações.   Um trabalho recém-concluído pelo Ministério da Agricultura pode tornar-se um instrumento eficaz para amenizar o efeito desses fatores negativos. Nesse trabalho, o Ministério avalia o desempenho dos principais mercados dos produtores agroindustriais do Brasil e aponta as prioridades que o País deve observar para ampliar suas vendas externas.   Segundo a consultoria Tendências, com exportações de US$ 61 bilhões e importações de US$ 8,7 bilhões, o superávit do agronegócio brasileiro ficou em US$ 52,3 bilhões, bem mais que o saldo de toda a balança comercial, que ficou em US$ 40,04 bilhões.   Entre 1994 e 2004, o agronegócio registrou continuamente saldos comerciais maiores do que o total da balança brasileira. A série foi interrompida em 2005 e 2006, quando seu superávit representou de 85% a 90% do superávit total. No ano passado, o saldo voltou a ser maior do que o da balança. Os bons preços dos principais produtos agroindustriais exportados pelo Brasil registrados em 2007 devem manter-se em 2008, embora não se esperem muitas altas expressivas.   Há exceções, como o óleo de soja, cujo preço deve subir por causa do aumento do uso do biodiesel e da redução da área plantada nos Estados Unidos. A produção e a exportação de café devem também registrar crescimento expressivo. No caso do complexo sucroalcooleiro, cujas exportações foram afetadas pela queda do preço do açúcar, espera-se a recomposição da cotação, o que leva as empresas de consultoria a projetar um aumento de até 8% na receita brasileira.   Na média, porém, o aumento das exportações totais do setor de agronegócio em 2008 deve ser menor do que o de 2007, interrompendo uma série de alta que se iniciou em 2005.   O que pode compensar esses fatores é uma atuação mais eficiente do Brasil, governo e setor exportador, nos mercados mais promissores. O estudo sugere que seja dada prioridade a regiões ou países cujas importações de produtos brasileiros apresentaram maior crescimento. São eles a União Européia, a China, a Europa Oriental e o Oriente Médio (16 países, mais Egito e Turquia). Esses países foram agrupados por semelhanças de hábitos de consumo ou por questões de logística de transporte.   A maior prioridade deve ser dada ao mercado europeu, cujas compras de produtos agroindustriais brasileiros cresceram 85% nos últimos seis anos. Em 2006, a União Européia importou US$ 14,35 bilhões do agronegócio brasileiro. Outro grande mercado é a China, cujas importações passaram de US$ 887 milhões em 2000 para US$ 4,6 bilhões em 2006. Uma região que surpreendeu os autores do estudo é a Europa Oriental, cujas compras passaram de US$ 600 milhões em 2000 para US$ 4 bilhões em 2006. As importações de produtos agroindustriais brasileiros pelos países do Oriente Médio aumentaram 342% nesse período. Mesmo tratado com desinteresse pelo governo do PT, o mercado americano aumentou suas importações do Brasil em 130%. O crescimento seria muito maior se os EUA tivessem merecido mais atenção.   O Ministério da Agricultura está preparando uma lista com a classificação dos principais mercados e dos produtos que mais importam do Brasil, acompanhada da lista de barreiras que impõem e de um estudo da evolução de seu nível de consumo e de qualidade de vida. Ao mesmo tempo, o governo identifica os problemas que impedem o crescimento de nossas exportações para mercados importantes, como o Japão (cujas importações de produtos brasileiros aumentaram apenas US$ 498 milhões em seis anos), a Coréia do Sul e a Arábia Saudita.   As conclusões desse trabalho serão oferecidas ao setor privado, que, com base nelas, poderá definir sua estratégia para a conquista de mercados ou a expansão daqueles que já detém.

Compartilhe notícia:

Telefones úteis

Lista telefones da Prefeitura

Executivo

Gabinete do Prefeito

64 3602-8030

Órgãos e Empresas Públicas

Procuradoria Geral do Município

64 3602-8026

AMT - Agência Municipal de Mobilidade e Trânsito

64 3620-2069 / 3620-0007 e 156

IPARV – Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores de Rio Verde

64 2101-7100 , 2101-7101, 2101-7102

PROCON

64 3602-8600

AMAE/RV - Agência de Regulação dos Serviços Públicos de Saneamento Básico

64 3620-2065 / 9 9264-3896

Hospital Materno Infantil Augusta Bastos (HMIAB)

64 36

Departamentos

CMEI Professora Judith Iara Alves Augusto

64 99284-7521

EMEF Professora Maria Dulce Rocha Duarte Barbosa

64 3620-2011 / 9 9278-2472

CMEI Caminho da Vida

64 3620-3228

Secretarias

Secretaria de Planejamento e Gestão

64 3602-8040 / 3602-8087

Controladoria Geral do Município

64 3602-8055

Secretaria de Assistência Social

64 3602-8800

Secretaria de Turismo

64 3620-2146

Secretaria da Fazenda

64 3624-2400 / 2413

Secretaria de Educação

64 3602-8200

Secretarias

Secretaria de Saúde

64 3602-8100 - 64 3602-8123

Secretaria de Ação Urbana e Serviços Públicos

64 3620-2131 / 3620-2141

Secretaria Infraestrutura Urbana

64 3602-7200

Secretaria de Infraestrutura Rural

64 3620-0012

Secretaria de Desenvolvimento Econômico Sustentável

64 3620-4130

Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento

64 3612-1944

Secretaria de Esportes e Lazer

64 3620-2081, 3620-2042, 3620-2119

Secretaria de Meio Ambiente

64 3602-8400

Secretaria de Comunicação Social

64 3602-8001

Secretaria de Cultura

64 3620-2071

Secretaria de Habitação e Regularização Fundiária

64 3602-1281 / 64 992241507