MAPA DO SITE TELEFONES ÚTEIS
ACESSIBILIDADE
TAMANHO DA FONTE:
A+
A
A-
  • serviços Cidadão

  • serviços Empresa

  • serviços Servidor

  • consulta Processos

  • Acesso à
    Informação
+
postado em 10 mar 2006 em Notícias

Entidades advertem que crise da agricultura é de toda a sociedade

  As pessoas precisam entender que a crise da agricultura já extrapolou os limites do setor e hoje tornou-se um problema de toda a sociedade brasileira. Essa foi a idéia central defendida pelo presidente da Federação da Agricultura do Estado de Goiás (Faeg), Macel Caixeta, e pelo presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras, seção de Goiás (OCB-GO), Antônio Chavaglia, ontem, durante café da manhã com jornalistas. Os dois dirigentes estão empenhados em unificar as ações das lideranças do setor numa mobilização nacional em defesa do setor agrícola.   O movimento, que nasceu em Goiás, já foi encampado pela Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e pela OCB nacional, que agora se empenham em mobilizar suas respectivas bases em todo o País. De acordo com Antônio Chavaglia, encontra-se em fase final de elaboração um documento-base do setor, com sugestões de medidas emergenciais para mitigar a crise atual e propostas para uma concepção de política agrícola de longo prazo. Para Macel Caixeta, a crise da agricultura implicará queda do nível de emprego e grave perda de arrecadação para o Estado, com reflexos nos serviços públicos prestados à comunidade.   Importância
Para não deixar dúvida sobre o peso do setor agropecuário na economia nacional e no Estado, a Faeg e a OCB apresentaram dados estatísticos demonstrando que, em 2005, o Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio foi de R$ 516 bilhões, ou 36% do PIB nacional, sendo que só o PIB agropecuário foi de R$ 143 bilhões, ou 10% do nacional. As exportações do agronegócio no mesmo período foram de R$ 46,6 bilhões, ou 36,8% das exportações totais do País, que somaram R$ 118 bilhões. O saldo das exportações do agronegócio foi de R$ 38,4 bilhões, ou 86% do superávit comercial brasileiro.   Em Goiás, o PIB do setor agropecuário em 2005 foi de R$ 8 bilhões, ou 21,9% do PIB de R$ 36,5 bilhões do Estado, do qual 70% é representado pelo agronegócio. As exportações do agronegócio goiano cresceram 35,5% no ano passado, representando 72,77% das exportações totais do Estado, que foram de US$ 1,8 bilhão. Apesar da representatividade da agricultura no conjunto da economia nacional e estadual, a situação do produtor agravou-se consideravelmente.   Perdas
Em 2005, de acordo com os dados da Faeg e da OCB, o setor agropecuário registrou perda de renda de 10,1% ou aproximadamente R$ 16,3 bilhões, enquanto para o conjunto do agronegócio essa perda foi de 4,2% ou R$ 22,31 bilhões. Em Goiás, as perdas por produto foram, no caso da soja, de R$ 4,52 por saca, milho, R$ 5,89, arroz, R$ 10,08 e algodão, R$ 6,31 por arroba. Segundo os dados, de uma demanda nacional de R$ 68,5 bilhões para a safra 2005, foram liberados apenas R$ 29,7 bilhões, com a agravante de que os recursos a juros equalizados (8,75% ao ano) foram reduzidos em 10%, enquanto o crédito a juros livres subiu 12%.   Segundo as entidades, nos últimos três anos, os preços recebidos pelo produtor subiram 5,72%, enquanto os preços pagos subiram 15,27%. Só nos últimos 12 meses, os aumentos desses índices foram de 2,58% e 5,14%, respectivamente.   Os itens que mais subiram foram mão-de-obra, 25,62%, combustíveis, 16,38%, e serviços, 18,22%. As relações de troca não são menos desanimadoras: um trator de 100 cavalos de força, que em 2004 podia ser adquirido por 3.354 sacas de soja, no ano passado já valia 4.946 sacas; na relação de troca com o milho, o mesmo trator passou de 8.298 sacas para 9.402 sacas.  

Compartilhe notícia:

Telefones úteis

Lista telefones da Prefeitura

Executivo

Gabinete do Prefeito

64 3602-8030

Órgãos e Empresas Públicas

Chefia de Gabinete do Prefeito

64 3602-8030, 3602-8048

Procuradoria Geral do Município

64 3602-8026

AMT - Agência Municipal de Mobilidade e Trânsito

64 3620-2069 / 3620-0007 e 156

IPARV – Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores de Rio Verde

64 2101-7100 , 2101-7101, 2101-7102

PROCON

64 3602-8600

AMAE/RV - Agência de Regulação dos Serviços Públicos de Saneamento Básico

64 3620-2065 / 9 9264-3896

Secretarias

Secretaria de Planejamento e Gestão

64 3602-8040 / 3602-8035

Controladoria Geral do Município

64 3602-8055

Secretaria de Assistência Social

64 3602-8800

Secretaria da Fazenda

64 3624-2400 / 2413

Secretaria de Educação

64 3602-8200

Secretarias

Secretaria de Saúde

64 3602-8100 - 64 36028123

Secretaria de Ação Urbana e Serviços Públicos

64 3620-3203 / 64 3620-2131

Secretaria Infraestrutura Urbana

64 3602-7200

Secretaria de Infraestrutura Rural

64 3620-0012

Secretaria de Desenvolvimento Econômico Sustentável e Turismo

64 3620-4130

Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento

64 3612-1944

Secretaria de Esportes e Lazer

64 3620-2081, 3620-2042, 3620-2119

Secretaria de Meio Ambiente

64 3602-8400

Secretaria de Comunicação Social

64 3602-8001

FMC - Fundação Municipal de Cultura

64 3620-2071

Secretaria de Habitação e Regularização Fundiária

64 3602-1281 / 64 992241507